A Consciência dos Males Humanos é o Grande Caminho da Sanidade – STOP 111

Compartilhe! Faça parte da campanha de conscientização:
o-homem-interior-nk-566x524
keppe-a-libertacao-dos-povos-a-patologia-do-poder-566x524

A maioria das nossas atitudes são geralmente invertidas (patológicas), sem que tenhamos uma boa percepção disso. Consequentemente, conduzem com frequência a uma autodestruição e à detonação do que nos cerca, sobretudo do que amamos. Advêm daí as brigas familiares, os crimes, a violência, e até a luta entre os povos. Tudo isso é o resultado da Inversão (visão ao contrário) que é ver no bem um mal, no objeto amado, um grande perigo.

O ser humano vê no amor a razão de todo sofrimento da vida dele. Então, todos se defendem e atacam. Daí, a necessidade da conscientização para que ocorra verdadeira reconciliação consigo mesmo e com os outros.
Keppe aborda o livro que escreveu nos EUA em 1986: A Libertação dos Povos, A Patologia do Poder, no qual preconiza as questões sociais que tanto afligem a humanidade e as possíveis soluções.

 

o-homem-interior ConsciênciaO Homem Interior

Todas as orientações psicoterápicas têm visto o homem como vítima, ou da sociedade, da família, do trabalho, ou até mesmo de forças estranhas que o levam a cometer desatinos.

Em meu trabalho trilógico, estou mostrando agora que o ser humano é muito mais vítima dele próprio, por causa dos seus sentimentos e idéias ruins, que vêm de dentro de sua mente.

 

libertacao-dos-povos ConsciênciaA Libertação dos Povos – A Patologia do Poder

O autor mostra que o processo capitalista atual entrou por um caminho sem saída, principalmente depois que John M. Keynes endossou a tese do campo especulativo – como sendo praticamente o último recurso para salvá-lo.

Evidentemente, o chamado capital tem que existir, mas o povo também precisa ser beneficiado – o que acontecerá com o processo de desinversão, no qual todos os poderes passarão a servir aos interesses das nações – e não como está acontecendo agora, a população de cada país trabalhando para os interesses dos poucos que galgaram os poderes.