A doença como atitude

Viralize esta boa notícia!

Keppe introduz no campo da psicoterapia um conceito inovador: nossas doenças vêm de atitudes que adotamos diante da vida, e não têm “existência” em si mesmas. Em outras palavras: enquanto eu adoto uma determinada atitude (sentimento, pensamento ou ações) negativa, estou “fabricando” uma doença psíquica, orgânica ou na minha vida — meus relacionamentos, trabalho, economia etc. No momento em que mudo de atitude e passo a adotar uma postura mais saudável, imediatamente volto ao equilíbrio. Isso quer dizer que, pela natureza, a estrutura essencial do ser humano tem um grande poder autogenerativo. Ou seja, temos um sistema de defesa muito complexo, ao qual damos o nome de imunológico e que tem a capacidade de autorregular o funcionamento do nosso organismo. Psiquicamente ocorre o mesmo. Conscientizada e corrigida a atitude errada, voltamos ao equilíbrio natural.

Conscientizada e corrigida a atitude errada, voltamos ao equilíbrio natural.

Portanto ninguém pode ser “rotulado” de doente — neurótico ou psicótico — de maneira definitiva, pois o que existem são estados patológicos que poderão se estender por maior ou menor tempo na vida de um indivíduo. Muitas pessoas poderão, por exemplo, ter uma crise de desequilíbrio grave uma vez em suas vidas, vindo a superá-la com sucesso sem que jamais voltem a apresentar a mesma sintomatologia (depressão, manias, fobias, pânico, crises epileptiformes, estados delirantes paranoicos, por exemplo).

De outro lado, não existem pessoas chamadas “normais”. Cada um tem muito de neurótico e mesmo de atitudes psicóticas no decorrer de suas vidas. O indivíduo equilibrado é o que aceita trabalhar com os seus problemas e os dos demais — ou seja — aquele que não censura a consciência da psicopatologia e da patologia social. Os outros são nosso espelho. Portanto, se todos nós temos muito de neuróticos e até de psicóticos, os outros nos servem de espelho e muito podemos aprender sobre nós mesmos: as qualidades que devemos reforçar e os defeitos que temos que evitar.

O meio mais prático e direto para o autoconhecimento é justamente fazermos a dialética — o que nos incomoda nos outros, é o que está mal “resolvido” (inconscientizado) dentro de nós. Da mesma forma, o que nos agrada no próximo são as qualidades que possuímos e muitas vezes também estão inconscientizadas e reprimidas. Um colega de trabalho que me irrita pela sua postura megalômana, egocêntrica, que age como se fosse o centro do mundo, falando somente sobre assuntos que são de seu exclusivo interesse, não desconfiando quando é hora de parar de incomodar a concentração dos outros, poderá estar espelhando algo dentro de mim — por exemplo, o quanto eu me desvio daquilo que devo cuidar e do que é importante, perdendo-me em pensamentos egoístas, ou preocupações supérfluas comigo mesmo.

Da mesma forma, quando me incomoda ver o quanto um amigo joga fora suas chances de sucesso, numa atitude de constante autodesvalorização, insegurança e falta de confiança, posso perfeitamente estar percebendo através do outro o principal motivo dos meus fracassos profissionais. Sendo assim, podemos conhecer nosso universo interior através da conscientização dialética, usando o exterior como ponto de referência. Sim, toda a maravilha e harmonia do Universo está presente no nosso universo interno e, se não usufruímos disto, devemos à nossa psicopatologia, ou seja, nossas atitudes invertidas de in veja, raiva, medo, pessimismo, arrogância, e tantas outras.

Sendo assim, o gerenciamento do stress e o trabalho para nosso crescimento se deslocam do mundo exterior, para o “nosso” mundo. Não se trata, portanto, de buscar a saída através de mudanças externas (se bem que muitas vezes elas também se façam convenientes) mas a liberação do nosso mal-estar em relação com a nossa postura diante da vida, dos problemas e de nós mesmos. Se eu entendo que meu bem-estar e sucesso dependem, fundamentalmente, de mim, então meu caminho para o desenvolvimento estará aberto.

 

Extrato do livro “De Olho na Saúde”

Cláudia B. S. Pacheco

Psicanalista e escritora, com 12 livros publicados. Vice-presidente da SITA, presidente e fundadora da Associação Keppe & Pacheco e da STOP a Destruição do Mundo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*