A Patologia do Poder

Queremos convocar todos os indivíduos práticos, todos os que têm idealismo e dinamismo, os que acreditam no bem, na verdade e no belo, para que se unam, para que possam construir um novo mundo, uma nova sociedade, o verdadeiro Reino Humano sobre a Terra, a fim de que consigamos trabalhar para nós mesmos e desfrutar o que o Criador nos legou, e até agora nos foi privado, pelos que detiveram o poder econômico-financeiro em suas mãos. Chegamos a um tempo decisivo, no qual não é possível mais continuar alimentando os indivíduos mal-intencionados, que se apoderaram do planeta, organizando uma ordem social só para eles — dando-nos algumas migalhas, quando sua situação periclita, ou eles são obrigados a fazê-lo.

Se o leitor perceber, estamos solicitando a todos, para que possam realizar a maior de todas as “revoluções” que a humanidade teve. Estamos convocando-os para desvirarmos a sociedade da inversão em que está, e a colocarmos em seus devidos pés — porque não queremos mais ser buchas para canhões, dos poderosos, pilotos para os seus aviões de morte, motoristas para os seus tanques de guerra, que espalham a morte e a destruição.

Queremos viver a vida; queremos produzir para nós e nossos irmãos; queremos viver em paz com todos. Mas, ainda, não poderemos permitir que continuem nos usando e matando, jogando classe contra classe, povo contra povo, profissão contra profissão; estamos dando um basta a isso tudo, porque desejamos viver agora em um período de paz, como queríamos, e sempre nos foi negado.

Sei que a maior parte dos que estão no poder não têm consciência, de como são opressores e inimigos do ser humano: capitalistas, marxistas, empresários, religiosos não têm ideia de que navegam em um barco errado — temos de mostrar-lhes seus enganos para que os que têm boa intenção desistam de tal caminho, e se unam neste trabalho. Os que forem contra o bem social serão pouco a pouco neutralizados. Se vocês me perguntarem como realizar tal empresa, eu lhe responderei que, finalmente, encontramos um caminho para esta libertação; é o que estamos expondo neste livro.

Gostaríamos de convocar todas as pessoas que se sentem exploradas — professores, operários, funcionários públicos, comerciários, vendedores, artistas — para que se unam, a fim de realizar finalmente uma sociedade de justiça sobre a face da Terra. Para isso, temos os seguintes pontos de vista:

1º. A propriedade privada, nas dimensões em que existe, é um erro. O planeta foi criado para todos os seres humanos, e não para um grupo que o explora e lesa, impedindo que todos tenham o seu quinhão.

2º. O ser humano não nasceu para ser escravo do dinheiro, mas para exercer uma atividade em benefício de toda a coletividade, e para ele mesmo, como decorrência.

3º. Temos de conscientizar que as instituições foram criadas para beneficiar apenas pequenos grupos, explorando os seres humanos, impedindo-os de se desenvolverem.

4º. As famílias devem servir, e não usar a sociedade para fornecer-lhes todas as vantagens, como acontece com os grupos famosos, economicamente.

Saiba mais sobre essa campanha:

Exorcistas e Psicanalistas Trabalham no Mesmo Plano

Posso afirmar que fazer exorcismo é realizar psicoterapia, assim como fazer psicoterapia é também realizar exorcismo, porque são dois fatores semelhantes, nesta e na outra vida sobrenatural. Estou mostrando que o cientista e o exorcista trabalham exatamente no mesmo plano, pois toda doença é ligada aos fatores físicos, e no mesmo instante aos espirituais – é por este motivo que o médico ateu, e o religioso fanático, têm tanta dificuldade em suas atividades.

O pastor americano Bill Wiese escreveu o livro 23 Minutos no Inferno, onde narra o que aconteceu ao sofrer repentinamente um desmaio, sendo transportado para essa região infernal, para trazer o que sucede com os inimigos de Deus.Compreendo, em minha pesquisa sobre a relação entre a conduta psicótica dos doentes mentais graves, com a dos seres humanos que se condenaram ao Inferno, que existe bastante semelhança, mas muito pior nesse Além Infernal. Por exemplo: Wiese afirmou que lá falta tudo o que temos aqui: água, alimento, sono e principalmente bem-estar, misericórdia e amor, dando a entender que vivemos ainda no Paraíso Terrestre, mas não o usufruímos, por causa dos nossos vícios e oposição ao Ser Divino.

Um dado que poucas pessoas conhecem, é a questão da enorme fúria que os diabos têm de nós, conforme Wiese, sem motivo algum, a não ser o desejo que temos de seguir a orientação de Jesus Cristo, a que eles se opõem frontalmente. Porém, nossa atitude aqui mesmo, de se opor ao Ser Divino, existe em todos os setores da existência: filosóficos, políticos, econômicos, jurídicos, científicos e seus ramos. Posso dizer que nos tornamos inimigos inveterados de Deus, inconscientemente, só porque não temos possibilidade de inventar uma existência diferente da atual – evidentemente, aqui entra a questão da soberba e inveja, pecados capitais, uma cópia do que aconteceu com os demônios que seguimos fatalmente.

Os profissionais mais aptos para conhecer a conduta dos demônios são os psicanalistas, desde que eles não rejeitem a espiritualidade – e o fator mais importante está na percepção de que os doentes mentais mais graves perderam a visão natural e qualquer atitude, emoção e pensamento pertencente ao real. Neste caso, toda a sua conduta é sem sentido, não podendo mais agir de acordo com o Criador, pois navega no inexistente – o ser humano percebe sua oposição ao bem, pensando que os demônios possam não estar aí. É por essa razão que não reconhece o trabalho da 2ª Pessoa da Trindade, quando esteve humanamente entre nós. Desejo esclarecer que a humanidade está entre o bem e a sua ausência, e quanto maior for sua doença, mais distante estará do belo, da verdade e do amor que são o real.

Existe um famoso conceito que os poderosos usam: dividir o povo para poder dominá-lo, que foi aplicado em todos os setores da vida social, ocasionando enormes dificuldades. Por exemplo, a divisão profissional de setores do trabalho, entre exorcistas e psicanalistas, ao julgar se uma pessoa ou é doente ou possessa, e não que esteja doente com uma esquizofrenia, e ao mesmo tempo possuída por espíritos malévolos – eu ainda posso acrescentar, com lesões cerebrais, por causa de sentir e pensar erroneamente, o que já pertence à medicina tradicional.

O tempo de vida atual que Deus nos ofereceu, para escolher o tipo de existência definitiva para viver na eternidade, é muito rápido – daí, o fato de não nos sentirmos totalmente satisfeitos aqui, por mais bens materiais que tivermos; posso afirmar que o motivo principal é o de estar em uma situação artificial e insatisfatória, que não corresponde com nossa verdadeira existência. Vivemos o provisório dentro do tempo e espaço, elementos variáveis, que tendem a desaparecer, quando acabar esse período material.

Agora, colocando essa questão no campo demoníaco, poderemos entender perfeitamente o desespero dos maus espíritos, que não teriam outro componente para aliviar um pouco a carência em sua essência, perdida para sempre por causa de sua negação ao eterno definitivo. Evidentemente, os seres humanos que ainda habitam aqui, podem ainda escolher, ou a subida ao universo espiritual definitivo, ou descer ainda mais na matéria insatisfatória e incompleta, desse período que deveria ser passageiro.

Norberto R. Keppe*
Extrato do livro Psicoterapia e Exorcismo.

Saiba mais sobre: