Somos livres para fazer o mal? – Rádio STOP 576

Há uma ideia em comum a maioria dos países, em especial aos Estados Unidos, de que o ser humano é livre para fazer o bem e o mal, fazer todas suas vontades. Tal ideia foi introduzida por Edward Bernays, a partir das teorias desenvolvidas por seu tio, o psicanalista Sigmund Freud.

Nenhum pais é verdadeiramente livre para atacar, explorar, corromper; pois deste modo a civilização teria o seu fim, no entanto esta é a conduta atual. Um exemplo disto é a liberdade, presente na constituição americana, para o porte de armas. Nesta “liberdade” fica claro que se o indivíduo briga com outro e se possui um revólver, a tendência é atacar o outro com este.