a-tensao-emocional-e-as-doencas-da-gengiva

A tensão emocional e as doenças da gengiva

Compartilhe! Faça parte da campanha de conscientização:

Como Preservar seus Dentes Naturais

 

Os dentes e as gengivas também sofrem influência das nossas emoções negativas como raiva, medo e inveja. Através da técnica de conscientização keppeana podem-se resolver problemas gengivais, como no seguinte caso:

A senhora L.G. (68 anos) tinha dentes com certa mobilidade; suas gengivas se inflamavam e sangravam sempre que ela era convidada para uma reunião social. Com a psicoterapia trilógica, L.G. conscientizou-se que se isolava para manter uma ideia de perfeição sobre si mesma e passou a ser mais sociável. Aos poucos seus dentes firmaram e até hoje, com 82 anos, sua saúde bucal continua estabilizada.

Outro caso interessante é de M.A. que, aos 30 anos, apresentou descolamentos da gengiva (bolsas periodontais). Nesse caso, o especialista indicou cirurgia das gengivas. Descontente com isso, M.A. nos procurou para fazer tratamento e iniciou também a psicoterapia trilógica. Em poucos meses, houve reparação das bolsas periodontais, e sua saúde bucal permaneceu assim até hoje (aos 62 anos), necessitando apenas de raspagens anuais.

Como somos uma unidade indissolúvel entre o psíquico e o físico, adoecemos primeiro psiquicamente e depois fisicamente.

A conscientização de nossos problemas tem um grande poder energético de recuperar nossa saúde. Pela natureza, a estrutura essencial do ser humano é capaz de autorregenerar nosso organismo.

 

Márcia Sgrinhelli e Heloísa Coelho Dentistas,
professoras de Psicossomática da Faculdade Trilógica Keppe & Pacheco
www.odontotrilogica.odo.br

Jd. Paulistano
Av. Rebouças, 3887 (ao lado do Shopping Eldorado)
(11) 3814-2159

Conserve seus dentes naturais

Compartilhe! Faça parte da campanha de conscientização:

… e vivos (com as polpas sadias ), de preferência.

Quando um dente necessita de tratamento de canal?

Se a polpa dentária é atingida por uma cárie ou se o dente sofre de um trauma físico, como o bruxismo, ela se defende com uma inflamação (pulpite) que, inicialmente, é reversível (pode desinflamar). Com uma pulpite aguda, o paciente sente muita dor, mas se essa inflamação for reversível, é possível manter a polpa íntegra ( sem tratamento de canal). Para tanto, o dentista precisa fazer um curativo, que atua como um medicamento. Após essa consulta de emergência, se esse dente não causar mais nenhuma dor durante uns 40 dias, ele pode ser restaurado, evitando-se um tratamento de canal. Portanto, o ideal é procurar um dentista assim que se sentir dor de dente, porque essa inflamação da polpa tende a se agravar, tornando- se irreversível. Nesse caso, o tratamento de canal é necessário.

Consciência é Saúde

Para que esse tratamento conservador da polpa tenha sucesso, é fundamental que o paciente se acalme diante da visão dos seus erros e dificuldades. Somente com a conscientização das emoções negativas (raiva, medo, inveja etc) é que se consegue a recuperação da saúde. Tanto as cáries dentárias como as pulpites, e até o bruxismo são decorrentes do estresse emocional descontrolado. … e vivos (com as polpas sadias ), de preferência.

Márcia Sgrinhelli – CRO-SP 25.337
Heloísa Coelho – CRO-SP 27.357

(Av. Rebouças, 3887, atrás Shop. Eldorado) Tel: (11) 3814-2159 | (11) 3814-0130

www.odontotrilogica.odo.br

Conserve Seus Dentes Naturais – Odontologia Psicossomática Trilógica

Compartilhe! Faça parte da campanha de conscientização:

Márcia Sgrinhelli e Heloísa Coelho,
Cirurgiãs-dentistas com orientação psicossomática.

Muitos não conhecem os benefícios de uma prótese parcial removível (PPR ou ‘’ponte com grampos’’); e também não conhecem as complicações que podem ocorrer com um implante dentário. Para repor alguns dentes perdidos, a melhor opção é a prótese parcial (PPR) porque ela fornece estabilidade, segurança, conforto e estética, além de manter os demais dentes praticamente intactos. Ela é a que mais conserva os dentes naturais. Prótese Parcial ou Implante?

O problema surge quando a prótese não é bem planejada e executada. Foi o que aconteceu com M.S., 50 anos, que usava uma prótese mal adaptada, o que a impossibilitava de falar bem e muito menos mastigar. Outro caso é o do J.S., marido de M.S., que estava com uma prótese meio solta. Insatisfeitos com as próteses que possuíam, tanto M.S. como J.S. pensaram em fazer implantes, mas foram desaconselhados por amigos porque o tratamento com implantes é muito invasivo. Com isso, M.S. e J.S. optaram por novas próteses que ficaram ótimas. A maioria dos clientes se adapta bem às próteses parciais. Somente aqueles que rejeitaram muito os próprios dentes é que vão rejeitar também os dentes artificiais.

www.odontotrilogica.odo.br

odonto-trilogica
Artigo publicado no Jornal STOP edição 91

Artigos do Jornal STOP 91:

Escolhe: Trabalho (Correto) ou Doença (Mental ou Física)

A Linguagem do Nosso Corpo – A Cura pela Consciência

Conserve Seus Dentes Naturais

Aprender Línguas Fazendo Psicoterapia