A doença como atitude

Viralize esta boa notícia!

Keppe introduz no campo da psicoterapia um conceito inovador: nossas doenças vêm de atitudes que adotamos diante da vida, e não têm “existência” em si mesmas. Em outras palavras: enquanto eu adoto uma determinada atitude (sentimento, pensamento ou ações) negativa, estou “fabricando” uma doença psíquica, orgânica ou na minha vida — meus relacionamentos, trabalho, economia etc. No momento em que mudo de atitude e passo a adotar uma postura mais saudável, imediatamente volto ao equilíbrio. Isso quer dizer que, pela natureza, a estrutura essencial do ser humano tem um grande poder autogenerativo. Ou seja, temos um sistema de defesa muito complexo, ao qual damos o nome de imunológico e que tem a capacidade de autorregular o funcionamento do nosso organismo. Psiquicamente ocorre o mesmo. Conscientizada e corrigida a atitude errada, voltamos ao equilíbrio natural.

Conscientizada e corrigida a atitude errada, voltamos ao equilíbrio natural.

Portanto ninguém pode ser “rotulado” de doente — neurótico ou psicótico — de maneira definitiva, pois o que existem são estados patológicos que poderão se estender por maior ou menor tempo na vida de um indivíduo. Muitas pessoas poderão, por exemplo, ter uma crise de desequilíbrio grave uma vez em suas vidas, vindo a superá-la com sucesso sem que jamais voltem a apresentar a mesma sintomatologia (depressão, manias, fobias, pânico, crises epileptiformes, estados delirantes paranoicos, por exemplo).

De outro lado, não existem pessoas chamadas “normais”. Cada um tem muito de neurótico e mesmo de atitudes psicóticas no decorrer de suas vidas. O indivíduo equilibrado é o que aceita trabalhar com os seus problemas e os dos demais — ou seja — aquele que não censura a consciência da psicopatologia e da patologia social. Os outros são nosso espelho. Portanto, se todos nós temos muito de neuróticos e até de psicóticos, os outros nos servem de espelho e muito podemos aprender sobre nós mesmos: as qualidades que devemos reforçar e os defeitos que temos que evitar.

O meio mais prático e direto para o autoconhecimento é justamente fazermos a dialética — o que nos incomoda nos outros, é o que está mal “resolvido” (inconscientizado) dentro de nós. Da mesma forma, o que nos agrada no próximo são as qualidades que possuímos e muitas vezes também estão inconscientizadas e reprimidas. Um colega de trabalho que me irrita pela sua postura megalômana, egocêntrica, que age como se fosse o centro do mundo, falando somente sobre assuntos que são de seu exclusivo interesse, não desconfiando quando é hora de parar de incomodar a concentração dos outros, poderá estar espelhando algo dentro de mim — por exemplo, o quanto eu me desvio daquilo que devo cuidar e do que é importante, perdendo-me em pensamentos egoístas, ou preocupações supérfluas comigo mesmo.

Da mesma forma, quando me incomoda ver o quanto um amigo joga fora suas chances de sucesso, numa atitude de constante autodesvalorização, insegurança e falta de confiança, posso perfeitamente estar percebendo através do outro o principal motivo dos meus fracassos profissionais. Sendo assim, podemos conhecer nosso universo interior através da conscientização dialética, usando o exterior como ponto de referência. Sim, toda a maravilha e harmonia do Universo está presente no nosso universo interno e, se não usufruímos disto, devemos à nossa psicopatologia, ou seja, nossas atitudes invertidas de in veja, raiva, medo, pessimismo, arrogância, e tantas outras.

Sendo assim, o gerenciamento do stress e o trabalho para nosso crescimento se deslocam do mundo exterior, para o “nosso” mundo. Não se trata, portanto, de buscar a saída através de mudanças externas (se bem que muitas vezes elas também se façam convenientes) mas a liberação do nosso mal-estar em relação com a nossa postura diante da vida, dos problemas e de nós mesmos. Se eu entendo que meu bem-estar e sucesso dependem, fundamentalmente, de mim, então meu caminho para o desenvolvimento estará aberto.

 

Extrato do livro “De Olho na Saúde”

Cláudia B. S. Pacheco

Psicanalista e escritora, com 12 livros publicados. Vice-presidente da SITA, presidente e fundadora da Associação Keppe & Pacheco e da STOP a Destruição do Mundo.

Resistência ao Trabalho É a Maior Causa da Hipertensão

Viralize esta boa notícia!

A Hipertensão (pressão alta), caracterizada pelos níveis elevados da pressão sanguínea (acima de 14 por 9), é uma doença crônica e cada vez mais frequente. Chamada de “assassina silenciosa”, é um dos principais fatores de risco de acidente vascular cerebral (AVC) e enfarte. No Brasil, foram registrados 388 óbitos por dia no ano de 2017 devido à pressão alta e suas sequelas. (1)

Cerca de 25% dos Brasileiros Sofrem de Hipertensão, conforme pesquisa com 52.395 moradores das capitais; sendo que os mais afetados são os idosos com mais de 65 anos (1), uma vez que se aposentam e se sentem inúteis. Gøtzsche aconselha que os idosos controlem a pressão arterial sem medicamentos, como muitos fazem, para evitar efeitos colaterais como vertigens e quedas.(2)

A causa da maioria dos casos de hipertensão é psicossocial. “Não é possível separarmos nossos valores e filosofia de vida de nossa saúde emocional e orgânica. Existe uma unidade no ser humano: seus sentimentos, seus pensamentos e suas ações são inseparáveis, e interagem entre si o tempo todo”. (3)

Numa entrevista de Rádio, a psicanalista Cláudia Pacheco, autora de obras sobre Medicina Psicossomática, alerta: “Pelo processo inconsciente de inversão*, o ser humano trabalha com raiva, e isso causa contração muscular e a produção de toxinas, que podem ser letais. Muitos trabalham contrariados porque estão trabalhando para causas nocivas, mas isso precisa ser analisado, conscientizado e dissolvido, senão a pessoa acaba morrendo mais cedo. Se o ser humano precisa trabalhar numa estrutura doentia para sustentar a família, deve fazer análise trilógica para aprender a lidar com esse conflito no interior. É possível regularizar e estabilizar a pressão sem medicação, com psicoterapia. Mas, se o cliente parar de fazer análise ou começar a esconder o que sente, então a pressão volta a subir.” (4)

A Ação (Pura) É a Saúde, e a Inação a Doença “Hoje em dia, o ideal de todos é viajar, ter uma vida de prazeres, sem muito trabalho, uma vida de ócio até… Hipertensão é mais comum nas pessoas que estão descontentes com o trabalho,” diz N. Keppe, no seu Programa de Rádio. (4) O sonho de se aposentar e parar de trabalhar é uma ilusão porque quem faz isso nunca consegue a felicidade que almejava. Veja o diálogo a seguir.

“Cliente: – Quando me aposentei, tinha a ideia que iria ter um vidão, que conseguiria a realização de todos os meus sonhos. Psicanalista: – Mas, explique melhor. Cliente: – Tinha a ideia que iria viver viajando, conhecendo os lugares mais bonitos do mundo, e noto que não encontrei a felicidade com isso. Esse fato mostra que o bem-estar reside no interior de cada pessoa, e toda a maravilha que existe reside mais aí – que a verdadeira felicidade consiste no encontro do bem interno com o externo. Daí, a necessidade de construir uma civilização estética e boa, para se coadunar com nosso aspecto são fundamental”. (5)

Marcia Sgrinhelli e Heloísa Coelho Dentistas e Professoras de Psicossomática das Faculdades Trilógicas

Márcia Sgrinhelli – CRO-SP 25.337

Heloísa Coelho – CRO-SP 27.357 (Av. Rebouças, 3887, atrás Shop. Eldorado)

Tel: (11) 3814-2159 | (11) 3814-0130

www.odontotrilogica.odo.br

a-medicina-psicossomatica

A Medicina Psicossomática

Viralize esta boa notícia!

A única e verdadeira Medicina é a psicossomática. A maneira como ela é praticada, atualmente, não é a real, pois supervaloriza o orgânico, tentando negar a importância do psicológico, que é a causa mestra de todo desarranjo no organismo.

Mesmo os médicos, que dizem praticar a medicina psicossomática, costumam tratar de seus clientes através de calmantes, o que, na realidade, só encobre a maioria das causas das doenças, que é psicossocial. Nesse caso, os sintomas podem ser aliviados temporariamente, mas eles retornam assim que a ingestão de medicamentos se interrompa. Além disso, os calmantes e psicotrópicos causam efeitos colaterais graves e desagradáveis — às vezes piores do que os da doença que pretendem combater.

Hipócrates, o pai da Medicina, afirmou que “não existe a doença, existe o doente”. É evidente que somos uma unidade indissolúvel entre psíquico e físico, com a predominância do primeiro, pela sua superioridade. Portanto, todo doente adoece psiquicamente primeiro, e, em consequência, fisicamente.

Os leitores nos perguntarão: mas, e os vírus, as bactérias, as irradiações atômicas, as verminoses, a desnutrição, as doenças hereditárias, de onde surgem? Ao que responderemos: a vida atual neste planeta está muito distante de ser o que deveria ser. Muitas doenças atuais são o resultado da destruição gradativa do nosso planeta pelas mãos dos próprios homens e não deveriam existir.

A relação entre o estresse, as doenças psicossociais e as orgânicas está melhor explicada no meu livro A Cura pela Consciência — Teomania e Estresse. Lá eu procuro esclarecer como a luta que o ser humano faz contra a consciência de seus erros e dos problemas sociais pode adoecê-lo e, até mesmo, levá-lo à morte.

 

Cláudia B. S. Pacheco
Psicanalista e escritora, com 12 livros publicados. Vice-presidente da SITA, presidente e fundadora da Associação Keppe & Pacheco e da STOP a Destruição do Mundo.

odontologia-espiritualidade-psicoterapia-exorcismo-jornal-stop-destruicao-do-mundo-n-98-2

Odontologia e Espiritualidade: Conserve os seus Dentes Naturais

Viralize esta boa notícia!

“Não existe doença alguma que não seja física e espiritual ao mesmo tempo”, como mostra Keppe em seu livro Psicoterapia e Exorcismo (2018).

As emoções negativas inconscientizadas alteram o funcionamento do organismo como podemos ver no caso da inveja.

M.N. relatou: – Quando eu era criança, minha professora mostrou uma foto de um sorriso lindo. Depois mostrou uma foto de dentes cariados. Então, pensei claramente que queria ficar com os dentes todos estragados. Mas, eu mesmo me assustei com essa ideia. Hoje, acho que esse pensamento veio de um espirito maligno, que devido à minha inveja, eu segui. Portanto, perdi muitos dentes.

Notamos através desse relato que o ser humano não é vítima dos malignos, mas através da atitude de inveja, se conecta com esses seres espirituais. “Qualquer coisa que se faça no campo físico, repercute no espiritual, e o mesmo sucede deste último, para o material, pois não podemos nos esquecer, que somos uma unidade, constituída de corpo e alma.” (KEPPE, 2018).

Márcia Sgrinhelli – CRO-SP 25.337
Heloísa Coelho – CRO-SP 27.357

(Av. Rebouças, 3887, atrás Shop. Eldorado)
Tel: (11) 3814-2159 | (11) 3814-0130
www.odontotrilogica.odo.br

Escolhe: Trabalho (Correto) ou Doença (Mental ou Física)

Viralize esta boa notícia!

Norberto R. Keppe*

O caminho da sanidade é o da ação honesta e justa; para liquidar o ser humano, é só interromper a sua atividade — o que está acontecendo presentemente nos Estados Unidos. Quando falo de trabalho, estou incluindo todo tipo de atividade, não só a de ganhar dinheiro especificamente, como principalmente a de desenvolver os próprios talentos, e em todos os setores.

Estou dizendo que o homem está preso dentro de uma rede social patológica colossal, e por isso mesmo impedido de se desenvolver. Para conseguir tal libertação houve a Revolução Francesa, a Americana e a Soviética, assim como o movimento dos jovens de 1960 e 1970 — mesmo que tal aspiração não tenha sido clara nas duas últimas épocas. Temos de começar pela solução do problema fundamental, que está no campo do trabalho profissional, para que todos os outros sejam resolvidos.

O trabalho não constitui uma necessidade só para ganhar dinheiro, mas para que o indivíduo desenvolva sua inteligência e sentimentos, para adquirir qualidades e talentos; o trabalho é fundamental para que o ser humano tenha equilíbrio e felicidade. O próprio Criador é chamado por Aristóteles de Ato Puro, porque ele está em total atividade cada segundo — enquanto que os demônios estão parados e esquizofrênicos, sofrendo enorme angústia e depressão.

Quando vemos pessoas marginais perambulando pelas ruas das cidades, o primeiro pensamento que nos ocorre é que elas são assim porque sofrem de doença mental — e não que elas são enfermas justamente porque não querem agir corretamente. Inicialmente é um sentimento ruim (ódio, inveja); depois é um pensamento errôneo de rejeitar a atividade, o bem, a verdade; depois é a patologia que chega, e o total desastre psicológico e social.

O que o ser humano mais procura é o que geralmente menos tem; estou falando do dinheiro — mas poderia também dizer o mesmo da felicidade, saúde e paz. O motivo disso é a ausência do fator dialético, que seria o gerador desses bens; no caso do dinheiro, a sua causa verdadeira seria o trabalho — não estou considerando a vida dos ladrões e das pessoas corrompidas; é pela ação que o indivíduo deve se enriquecer. Poder-se-ia mesmo dizer: realize, faça tudo o que puder para o bem-estar do ser humano, que todo o restante virá automaticamente em sua vida.

Existem duas situações psicológicas: os indivíduos capazes, que sempre são escolhidos para trabalhar, e os problemáticos, que são deixados de lado. Isso acontece por força da própria exploração econômica, que coloca um grande contingente de pessoas fora do campo da atividade profissional; não há praticamente estímulo para todo aquele que se prepara para ingressar nesse setor — até agora foi mais o argumento de ameaça que sempre funcionou (possibilidade de passar fome, de viver à margem da vida); não há muita atração em permanecer 8 horas por dia, durante 30 ou 40 anos em uma sala fechada, para depois se aposentar com um salário irrisório. E o pior de tudo é que durante todo esse tempo, o indivíduo realiza uma ação repetitiva, mecânica, que embota totalmente seu cérebro.

atendimento-psicanalitico-analise-sessao-de-analise-terapia-sao-paulo-skype-telefone-sita-trilogia-analitica-keppe-psicanaliseO desenvolvimento atual da humanidade foi brecado pelo sistema econômico, quando desviou todo lucro para os bolsos dos capitalistas, e dos governos socializantes. Depois que uma ciência atinge o apogeu, é necessário que seus benefícios sejam estendidos a toda a população; exemplificando: quando a indústria automobilística ficou saturada na produção de veículos, os capitalistas a reduziram, para que os seus lucros não diminuíssem, e com isso prejudicaram todo o crescimento da civilização.

Cada vez que ouço um político falando, um religioso, e principalmente o economista, não sei se eles acreditam que vivemos em uma sociedade correta, ou se estão fingindo o tempo todo, sabendo que participamos de uma situação social inteiramente anormal — que tem de ser modificada para que possamos finalmente nos desenvolver.

Os trabalhadores da Ásia são jovens, não descansam e exigem uma partilha do que eles ajudaram a criar (U.S.News & World Report, 14 de setembro de 1987, pág.3).

Temos aqui um elemento novo, e o mais importante de todos, determinando o fi m do regime econômico de exploração; tal fenômeno não foi analisado devidamente, sendo o mais significativo. Para sabermos quem são os grandes ladrões da humanidade, basta organizar uma galeria de fotos dos indivíduos bilionários.

Quando o trabalho correto for estabelecido em alguns países, todos os outros serão obrigados a segui-los, sob pena de se conservar em um atraso atordoante; acredito que a libertação de todos os povos começará com a libertação do primeiro. Uma primeira nação servirá de exemplo para todas as outras que a seguirem.

Norberto Keppe é psicanalista, filósofo, e pesquisador, autor de 39 livros sobre psico-sócio-patologia. Criador da ciência trilógica (união de ciência,  filosofia e espiritualidade) propõe soluções para os problemas dos mais diversos campos como: psicanálise, socioterapia, medicina psicossomática, artes, educação, física,  filosofia, economia, espiritualidade.

Sugestão de Leitura


 

 

O autor mostra que o processo capitalista atual entrou por um caminho sem saída, principalmente depois que John M. Keynes endossou a tese do campo especulativo – como sendo praticamente o último recurso para salvá-lo.

Evidentemente, o chamado capital tem que existir, mas o povo também precisa ser beneficiado – o que acontecerá com o processo de desinversão, no qual todos os poderes passarão a servir aos interesses das nações – e não como está acontecendo agora, a população de cada país trabalhando para os interesses dos poucos que galgaram os poderes.